Visto D2 ou Visto D7: Guia Comparativo

Confira este guia comparativo e descubra qual dos vistos você deve escolher: Visto D2 ou Visto D7 Portugal? Tire suas dúvidas!

O Visto D2 e o Visto D7, apesar de alguns pontos em comum, tratam-se de vistos com propósitos e benefícios diferentes. Se o seu objetivo é morar em Portugal, mas você tem dúvidas tem dúvidas se deve escolher o Visto D2 ou Visto D7, então… este artigo é para você!

Neste guia comparativo, explicaremos as vantagens e as principais diferenças de cada um, de modo a ajudar você a fazer a melhor escolha, acompanhe.

O que é o Visto D2 e para quem é destinado?

O Visto D2 Portugal (também conhecido como Visto de Empreendedor Imigrante em Portugal) é um tipo de visto voltado a cidadãos não pertencentes à União Europeia. Ou seja, estrangeiros cuja intenção é abrir um negócio no país, estimulando a economia local.

Com ele, é possível solicitar e receber a Autorização de Residência portuguesa, podendo viver, morar e trabalhar no país.

Caso você já tenha uma empresa com sede em Portugal, é possível solicitar o Visto D2 e usufruir de todos os seus benefícios, desde que se encaixe nos requisitos exigidos.

Para isso, é importante lembrar que é preciso comprovar que você possui capacidade financeira para fazer o investimento necessário e para manter o negócio. 

De modo a comprovar estes requisitos, é fundamental que você elabore um plano de negócio que demonstre a viabilidade do empreendimento, o que pode inclusive facilitar a concessão do visto.

O que é o Visto D7 e para quem é destinado?

O Visto D7  é um visto de imigração de Portugal acessível e atraente que permite aos cidadãos de países terceiros obterem a residência em Portugal, desde que tenham fundos suficientes para se manterem durante a estadia em Portugal.

Esse visto ficou muito conhecido como o “visto dos aposentados”, entretanto, o programa tem um  alcance bem maior.

Visto-D7-Portugal

Como o objetivo do Governo português, com este programa, é o de atrair pessoas que sejam capazes de promover o seu próprio sustento e, como consequência, gastar ou investir os seus recursos no país, os aposentados ou pensionistas acabam se encaixando muito bem neste perfil

Entretanto, a verdade é que se se você está interessado em investir em Portugal, possui recursos financeiros para tal, então, provavelmente você pode ser o candidato ideal ao Visto D7.

E tem mais! Após cinco anos de titularidade do Visto D7, é possível também requerer a nacionalidade portuguesa, desde que cumpra os restantes dos requisitos previstos na lei da nacionalidade portuguesa.

Entenda um pouco mais sobre a vida em Portugal para aposentados.

Clique aqui Arrow Icon

Quais as diferenças entre o Visto D2 e o Visto D7?

Quais-as-diferenças-entre-o-Visto-D2-e-o-Visto-D7

1. Procedimento

Tanto o procedimento do Visto D2, quanto o procedimento do Visto D7, começam no Consulado/Embaixada de Portugal com a apresentação do pedido de visto. 

Uma vez enviados os documentos para o consulado mais próximo da sua casa, o que acontece? Bem, depende.

Se você solicitou o Visto D2, você será chamado para comparecer ao consulado para buscar o seu passaporte. Nele, já estará colada a autorização para entrar no país, válida por 4 meses.

Respeite esse prazo para fazer a sua mudança e, depois, já em Portugal, agende uma visita ao Serviço de Emigrantes e Fronteiras para fazer o pedido da autorização de residência com validade de 1 ano.

Já para o Visto D7, você será chamado por e-mail para comparecer ao consulado para uma entrevista com um agente consular. Eles podem fazer perguntas relativas à sua documentação ou à motivação da sua mudança, por exemplo. 

Uma vez aprovado o seu visto, você já sai do consulado com a autorização para a sua mudança, com duração de 4 meses. O procedimento no SEF deve ser igual ao do Visto D2.

2. Documentação

Todos os pedidos de visto e de autorização de residência dependem da apresentação de uma série de documentos. A depender do motivo do pedido, os principais documentos serão diferentes.

No caso do Visto D2 para um trabalhador independente (profissional liberal/autônomo), será necessário apresentar o contrato de prestação de serviços e, a depender da profissão, o comprovante de habilitação para o exercício daquela atividade. No caso do Visto D2, será preciso comprovar que efetuou operações de investimento através da constituição de uma empresa em Portugal.

Já se tratando do Visto D7, é imprescindível comprovar os rendimentos recebidos no exterior, sendo que a documentação poderá ser diferente a depender do tipo de rendimento. Assim, pode ser necessário apresentar a declaração de imposto sobre os rendimentos, extratos bancários, etc.

3. Exercício de atividade profissional

O Visto D2 permite, desde o início, o exercício da atividade profissional, sendo que, no caso do Visto D2, o trabalho está intrínseco ao pedido feito.

No caso do Visto D7, durante a validade do visto não é permitido trabalhar. No entanto, após a obtenção da autorização de residência, o portador do título de residência poderá exercer atividade profissional, caso queira ou entenda necessário.

Visto D2 ou Visto D7: Qual a principal vantagem?

Ambos visto têm vários benefícios em comum, tais quais:

  • Livre entrada e circulação permanentes no espaço Schengen;
  • Viver, trabalhar e estudar em Portugal;
  • Benefícios fiscais atraentes;
  • possibilidade de se beneficiar do sistema de saúde português;
  • Processo de visto rápido;
  • Família inteira é elegível.

Mas, sem dúvida, a principal vantagem que eles tem comum é a aquisição da cidadania portuguesa e autorização de residência permanente.

Portanto, se você pretende realmente morar em Portugal, o Visto D7 poderá ser também uma excelente alternativa para obter a a cidadania portuguesa ou a a autorização de residência permanente após 5 anos. 

Então… qual visto escolher? 

A este ponto, é evidente que a resposta para essa pergunta dependa dos seus objetivos, contexto e preferências pessoais. 

A verdade é que tanto o Visto D2 como o Visto D7 possuem aspectos positivos e negativos. Por isso, cada caso deve ser sempre analisado individualmente.

A Global Citizen Solutions é uma empresa de consultoria com anos de experiência no fornecimento de soluções personalizadas de residência e cidadania por investimento para famílias internacionais. 

Com escritórios em todo o mundo e uma equipe dedicada e experiente, ajudamos clientes de todo o mundo na busca de oportunidades para atingirem o sucesso desejado.

Quer o seu foco seja um programa de visto europeu, identificar oportunidades de investimento em imóveis e fundos, buscar assistência jurídica e tributária ou mudar-se para o exterior, possuímos o know-how necessário para lhe orientar nas tomadas de decisões.

Junto a um consultor dedicado, você poderá determinar seus objetivos, resolver suas dúvidas e estabelecer um caminho de sucesso para avançar.

Entre em contato com os nossos especialistas, assim poderemos tirar suas dúvidas e elaborar um plano de ação personalizado.

Clique aqui Arrow Icon

FAQ

Como conseguir o Visto D2 Portugal?

Para tirar o Visto D2, é necessário realizar uma solicitação no órgão oficial designado, que varia de acordo com a região do requerente. Depois, é necessário realizar uma requisição junto ao SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) de Portugal, tarefa que pode ser realizada online.

Qual é a participação do SEF no Visto D2 Portugal?

O SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) de Portugal atua como órgão regulador do Visto D2, assim como todos os demais vistos para o país.

Como posso solicitar o Visto D7?

Para se candidatar ao Visto D7, você terá de apresentar um pedido de visto na Embaixada de Portugal no seu país de origem. Assim que receber o visto temporário, terá de viajar para Portugal e marcar uma consulta com o SEF, que lhe concederá o Visto de Residência D7.